Tag: Villas-Boas & Moss

Microsoft Word - RUDOLF - Diário de Pernambuco 20-8-16.docx

O designer Rudolf Piper, cujo livro AFTERHOURS a VB&M representa, será o responsável pela mudança de visual do shopping recifense Paço Alfândega. Grande ironia. Vale ver a matéria no Diário de Pernambuco.

Rudolf, nascido na Alemanha mas com vasta estrada no Brasil e português perfeito, é uma figura da noite internacional, tendo concebido e dirigido discotecas e boates as mais variadas em um circuito que vai de Berlim a Nova York, de Miami a Los Angeles, com várias paradas em São Paulo. Pode por aí Studio 54, Buddha Bar, Provocateur, dezenas de outras.

O subtítulo de AFTERHOURS é “Ascensão e queda das mega discotecas”, e no livro ele faz uma análise do fim da economia da noite em todo o mundo. Com muitos casos divertidos e fofocas a respeito de gente que ele conheceu muito bem, como Madonna e Mick Jagger, ou com quem se encontrou na noite, como Rei Juan Carlos e Elizabeth Taylor, o texto costura uma análise afiada do fim das discotecas como reflexo de um tipo de desenvolvimento urbano e, no plano cultural, um enrijecimento das mentalidades cristalizado no politicamente correto. Como cereja do bolo, AFTERHOURS faz uma crítica devastadora do consumismo também nesse contexto de morte da noite no mundo todo.

Aí reside a ironia. Acabou o mundo no qual reinou por décadas, e Rudolf agora está dedicado a modernizar a face de um grande shopping em Recife. Como ele é um gênio, o shopping há de ficar maravilhoso, mas há um toque de melancolia nisso tudo.

u1_978-3-10-002535-7

O novo romance de Rafael Cardoso, O REMANESCENTE, é estupendo. Perfeitamente definido pelo conceito de nonfiction novel, criado por Truman Capote, é daqueles livros que só se larga, e a muito custo, ao terminar. Conta a história real, porém romanceada, de seu bisavô Hugo Simon, um judeu, banqueiro, socialista e colecionador de arte, figura importantíssima na República de Weimar e grande financiador da resistência ao nazismo, que fugiu da Alemanha para um trágico exílio no Brasil durante a Segunda Guerra Mundial.

A história da família é fascinante e Rafael fez um trabalho de pesquisa e reconstrução históricas espetacular, traduzido em forma de romance com acuidade e profundo talento narrativo. As personagens são densas, seus dramas, vivos; e as transformações por que vão passando ao longo da narrativa nos fazem sentir quase que na pele suas dores, angústias e pequenas alegrias.

O REMANESCENTE será publicado simultaneamente no Brasil e na Alemanha, por Companhia das Letras e Fischer, respectivamente, em outubro próximo, e a campanha pré lançamento da Fischer está a todo vapor. Recebemos ontem o catálogo da temporada da editora, com página dupla dedicada ao livro, que sairá com o título de “Das Vermächtnis der Seidenraupen” (“O legado dos bichos da seda”, em tradução livre). Haverá, também, edição holandesa, pela Niew Amsterdam, mas essa só em meados do ano que vem.

Rafaelcardoso_catálogo

Lorella Belli

Lorella Belli

Nossa co-agente 2-Seas, de Marleen Seegers, tem uma newsletter genial que todos os meses publica uma entrevista com alguma figura do mercado editorial internacional. Luciana Villas-Boas já deu entrevista sobre a situação do mercado brasileiro em meados do ano passado, quando se aguçou a crise econômica. No número de agosto/17, a entrevista da 2-Seas é com Lorella Belli, cuja lista VB&M também representa para o Brasil, e o tema versa sobre o impacto da saída da Grã-Bretanha da União Européia sobre o mercado do livro internacional.

http://2seasagency.com/brexit-and-publishing/

Brexit & Publishing: What Lies Ahead for the British Cultural Industries?

In the aftermath of the vote, literary agent Lorella Belli, founder of the Lorella Belli Literary Agency in London, discusses some of the issues facing the UK publishing industry

A month has passed since Great Britain voted to leave the European Union. Since then, Brexit has been at the centre of an international debate, although most of the questions regarding the possible economic and politic implications of the vote remain largely unanswered. As part of our Publishing Industry Insight Series, this month we take a closer look at how the industry is responding to this historical decision.

In the run-up to the vote, the Bookseller had conducted two online surveys among industry professionals, which demonstrated to be overwhelmingly in favour of remaining in the EU. The day before the vote, Waterstone’s MD James Daunt sent an email to all his employees to warn them of the risks of an eventual Leave win: “For Waterstone’s, the impact on sales will reverse much of the hard-won gain of the last few years. To survive, we will have to return to cost-cutting; return, that is, to the brutal reality of job losses and stagnant wages”.

Following the vote, many echoed this pessimistic stance. Among others, British novelist Matt Haig tweeted: “We’re now in a smaller, sadder, more divided, poorer, closed off, unpopular, less safe, less kind little land”.

The consequences  that the industry will have to face in the short and long-term are difficult to predict, as they depend on the unravelling of a very complex political and economic negotiation; meanwhile, industry professional and artists seem to agree that the essential task for the cultural industries will be that of maintaining an open-minded and outward-looking attitude, rather than transforming into an “inward-focused Britain with emboldened xenophobic impulses” – as author Victor Schonfeld put it.

To get a first-hand insight into the industry’s reaction, we asked UK-based literary agent and 2 Seas client Lorella Bellito share her opinion, based on her experience and on feedback from colleagues in publishing as well as friends in the wider business community.

Giulia: What consequences do you think Brexit could have on the UK book market?

Lorella: Just over a month after the vote we can now see some of the short term consequences, although in the long term one can only still speculate at this stage. A lot hinges on whether the UK will still be part of the European Single Market or not, that will be crucial for all involved.

Uncertainty has clearly not been good for the economy and I fear the negative outlook will carry on more or less until confidence is restored and one is clear on where the country and businesses stand with respect to Europe, and until we know what actions will be implemented over the next few years.

In the aftermath of the referendum consumer confidence was badly affected and less books were bought (although analysts also mentioned the European Championship had an impact on this decline). This was in line with diminished retail sales in other industries too. The stock market made significant losses after the vote, the largest since the last financial crisis.

The predicted devaluation of the Pound is now a fact. It will make it cheaper in the short term to export books for UK publishers and British companies can be more attractive acquisition targets for investors from abroad. Currency fluctuations have a direct effect on deals and payments made/received from abroad for business and authors.

Rules and regulations will be different when the UK will officially be out of the European Union, although we still don’t know how. Issues particularly relevant to the book industry including copyright, piracy and VAT. International taxation could also be affected when it comes to the already complex and fragmented tax treaties in place with the various European countries, and this might also affect the income authors will receive from their foreign rights sales.

Author’s earnings could also be affected by the loss by UK publishers of exclusivity in Europe. If they can’t sell their edition there exclusively but either share that market with the US publisher or lose access altogether, then there is no incentive for them to offer home royalties on European sales, which would result in a smaller royalty per copy on those sales for writers. In the long term, if UK publishers’ exclusive markets are eroded, they will sell less copies overall and in turn they are likely to make smaller offers when buying UK and Commonwealth rights in the first place.

Loss of EU funding is another aspect which will affect authors and businesses relying on it, whether it’s in the form of translation grants, research, co-production or in the academic field. The Leave argument was that what the UK pays to Europe can be directly invested in the UK. However, no one is sure (or had a plan) about the extent of these subsidies or their allocation. With all sectors clamouring for funding, from education to health, from defence to infrastructure, where do publishing and the creative industries come in the pecking order and in future Government spending plans?

Public libraries are already underfunded and closing in larger numbers each year, which will also affect the number of sales publishers make to this institutions (just think of formats like large print for example) as well as the impact the availability of free books has on the public and society in general.

The potential loss of EU translation grants can especially adversely affect small independent publishers and the kind of books they can commission and make available to UK readers, especially literary works. Last month several UK publishers wrote about their commitment to promote literature in translation and the dangers of insularity and nationalistic tendencies, and of undoing so much of the good work which has been done.

It is no wonder the UK’s creative industries also called on the government to ensure its negotiations with European Union keep the country in the European Single Market (and protect against a potential talent drain post-Brexit amongst other things).

People’s opinion on the pros and cons of Brexit seem still very much influenced by whether they voted Leave or Remain, but it is also now clear that many who voted Leave did so without clearly expecting it to actually happen. They intended their vote more as protest against the status quo and didn’t have a precise idea of what they wanted in its place, other than a vague notion of being better off outside of Europe and generic declarations like ‘Taking our country back’ (the slogan of the Leave campaign).

G: Which sectors could be the most affected by this change? 

L: Ahead of the referendum many senior figures in the UK book trade as well as authors and  people in the entertainment industry were very vocal about the potential damage to our industry if the Leave campaign was to win. In my experience talking to British colleagues, the vast majority of people in publishing were in favour of Remain, in fact the creative industries in the UK voted overwhelmingly for Remain (the Creative Industry Federation’s members’ survey showed more than 96% support for Remain, with 4% in favour of Leave). As we know, the majority of London voters chose to stay and that’s no coincidence either, considering how much the capital contributes to the overall UK economy.

Other sectors which came out strongly in favour of Remain where technology, media, finance and business. Clearly it was felt that leaving the EU would have an impact on every aspect of life and business.

In the wider economy, property prices, the possible lack of future investment and job losses are other areas of concern; the City and its international standing (should they not be able to carry on with their current benefits of being part of the EU), the possible relocation of companies to mainland Europe if the UK also leaves the European Single Market were other points frequently raised.

Research and international co-operation in various industries and fields are also widely debated.

I just can’t see any industry or section which won’t be effected.

G: How high is the level of concern for the political situation among your UK colleagues? 

L: Most people were very concerned just after the referendum as so much happened so quickly  and with far reaching consequences, and for most, unexpectedly. With the Prime Minister making clear he was stepping down immediately after the vote, the fear of a political vacuum, the choice of the next Prime Minister amongst the Conservative (to be elected by party members only rather than in a general election) to the right, the challenge to the Labour leadership to the left, and the two main high-profile campaigners for Leave, Boris Johnson (former Mayor of London and arguably the most popular face of the Out campaign) and Michael Gove (former Secretary of State for Justice ) quickly and ironically out of the political scene despite their ‘victory’, it all seemed very worrying and uncertain as no one seemed to be there to take responsibility and have a strategy or plan amongst the winners (people’s reaction was matched by the stock market crash and the pound losing some 10% of its value in the space of a few days).

Things are more stable now with a new Prime Minister and Cabinet, although things are still not clear in the opposition camp, with a new leadership challenge in the Labour party, crucial to hold the new government to account in this delicate phase of the country’s history. The appointment of Boris Johnson as Foreign Secretary was, shall we say, an ‘interesting’ choice, given his track record and previous remarks on foreign leaders, and was particularly covered and scrutinised in the press and on social media.

G: Will the process of buying and selling rights be influenced by the result of the referendum? 

L: Not directly probably, at least in the short term I can’t see any obvious changes. Since the pound crashed against the euro and the dollar, some foreign publishers would favour deals to be done in these currencies. On the other hand, if UK authors are receiving income from abroad in different currencies, that would be to their advantage.

In terms of English-language deals, I mentioned the impact that not having exclusive European rights could have for UK publishers (and authors), at a time when exclusivity in Australia is also under threat.

A weak sterling will make it more expensive for UK publishers to attend trade fairs and festivals abroad, but cheaper for foreigners to come to London. Having said that, book fairs will be even more important than ever for the book trade to connect and share and work together.

After the initial shock, it seems that things are settling down a bit now, if not in real terms at least in people’s level of disappointment and concern amongst those who voted Remain.

In publishing like in other industries, it looks like the next big thing will be to try and keep the UK in the Single Market – Britain’s main export market is Europe, and it wouldn’t be in anyone’s interest to lose access to it.

Brexit has happened and there is no going back, the UK needs now to find a way of making the most of whatever new opportunities or measures will be put into place. And those who work in publishing will be doing their part in making sure business practices, legislation, protection of copyright, author’s rights and authors’ income is maintained, and that a variety of books will still be published and carry on showing us that we have probably more in common than a vote can determine. It will be different, we will have to work harder to make it better.

 

[C2BR - 1]  ESTADO/CAD2&CULTURA/PAGINAS ... 23/07/16

O professor da USP Elias Thomé Saliba assinou no Estadão resenha consagradora de TENENTES: A GUERRA CIVIL BRASILEIRA, de Pedro Dória, recém-lançado pela Record. Disse que Dória reconstruiu “a história dos movimentos tenentistas da década de 1920 com uma narrativa trepidante, à maneira de um filme, composta de planos curtos que, às vezes, lembram uma biografia coletiva, com a diferença que a descrição dos principais personagens se faz por um rápido esboço, suficientemente capaz de segurar o leitor para este não perder o fio da trama.”

Crítica bem feita e bem escrita, atrativa para o livro e para si mesma, refletindo uma leitura atenta e perspicaz, mas seu valor não é só esse. Bom testemunhar que a academia brasileira está superando a velha bronca de ver jornalistas tornarem-se escritores de narrativas históricas de apelo popular.13584651_719391504866943_7562430360257392755_o

Não pode ser de outra maneira. Quanto mais a população puder apreciar o saber histórico por meio de livros escritos não com a linguagem técnica da historiografia mas com o sabor das melhores reportagens, mais valorizados serão a formação e o ofício do historiador.  Ainda: quem sabe de trata de mais um sinal de que o tempo dos corporativismos mesquinhos, de uma sociedade fatiada em feudos protecionistas, esteja finalmente começando a declinar no Brasil.

(LVB)

 http://cultura.estadao.com.br/noticias/literatura,livro-de-pedro-doria-reconstroi-a-historia-dos-movimentos-tenentistas-da-decada-de-1920,10000064511

HISTÓRIA DO FUTURO, de Míriam Leitão, foi o livro VB&M que vi (LVB) brilhando domingo à noite, 17 de julho, quando embarcava de volta para os EUA, na livraria Leitura do novo e super Galeão. (Diga-se que a melhora do aeroporto internacional do Rio não foi ou vem sendo devidamente festejada.) O livro de Míriam torna-se a cada dia mais atual e relevante apesar de o futuro brasileiro ter sido dolorosamente adiado pela crise econômica que se abateu em 2015 depois de mais de década de desmandos e descuido criminoso da economia do país.

photo (1)
Melhor ainda foi ver HISTÓRIA DO FUTURO ao lado do já clássico JUSTIÇA, de Michael Sandel, outro livro indispensável que contratei para o catálogo da Civilização Brasileira oito anos atrás, quando era diretora do Grupo Record. Com um selinho dizendo que o título já alcançou a marca de 100 mil exemplares vendidos só no Brasil, JUSTIÇA tem um ótimo sub: “o que é fazer a coisa certa”.
HISTÓRIA DO FUTURO ensina o que é fazer a coisa certa pelo Brasil e tem de se tornar o projeto básico de qualquer próximo governo, se não esse mandato provisório de Michel Temer – quem dera –, pelo menos o que será eleito em 2018. Chega de adiar o futuro dos brasileiros.

Nosso autor da área de negócios César Souza acaba de compartilhar conosco uma matéria impressionante da Veja.com sobre as perdas que o precário atendimento à clientela causa às empresas brasileiras. Segundo a consultoria Accenture, chegam a 217 bilhões de reais os prejuízos das empresas por problemas no tratamento com os clientes.

Não só com livros mas em vários segmentos da economia, o fator preponderante para a escolha do consumidor brasileiro é o boca a boca. A insatisfação com os serviços e a má reputação causam às empresas índices estratosféricos de baixa fidelização. Só em 2015, 85% de consumidores de vários serviços – de empresas aéreas a telefônicas – migraram de prestadores.

Um grande problema apontado na matéria da Veja é a maneira como se usa a tecnologia eletrônica. O brasileiro gosta de se sentir merecedor de um tratamento personalizado, e a linguagem digital representa o oposto disso, causando frustração para um grande número de pessoas. A incompetência no tratamento do digital é uma marca da empresa brasileira. Para a VB&M, entre os serviços que usamos, o Itaú é o campeão em matéria enfiar tecnologia goela adentro do cliente, sem contemplar as nuances de cada solicitação, criando assim situações de impasse.

Só tem uma notícia boa diante desse quadro: o lançamento de CLIENTIVIDADE: COMO OFERECER O QUE O SEU CLIENTE QUER, de César Souza. O livro mostra o que o empresário e os gestores têm que fazer para desenvolver uma atitude de clientividade em seus negócios. Tomara que eles aprendam.

Clique aqui para acessar a matéria da Veja.

LVB

Consagrador o comentário do super escritor Nelson Motta sobre a ficção de Alberto Mussa no alto da página de Opinião de O Globo de sexta-feira, 15 de julho. Depois de refletir sobre a intensidade maior da fruição literária em comparação com outras formas de arte, Motta revela que leu A PRIMEIRA HISTÓRIA DO MUNDO e O SENHOR DO LADO ESQUERDO de enfiada, completamente imerso nos crimes do Rio de Janeiro criados e recriados pelo Beto.

 

CRIMES CARIOCAS

O mesmo livro não é igual para dois leitores: cada um o complementa com sua imaginação e suas memórias

Quando quero descansar a cabeça do trabalho, sair um pouco das tragédias e vergonhas brasileiras e do pequeno mundo dos problemas cotidianos, é para os livros que viajo. Porque na música, na dança, nas artes plásticas, no teatro e no cinema, o espectador é passivo e só lhe cabe desfrutar e absorver a arte, o que já é muito bom, mas um bom livro só existe com um leitor ativo e participante, criando junto com o escritor as caras e os corpos dos personagens, os cenários, as ações, na tela da cabeça de cada um.

O mesmo livro não é igual para dois leitores: cada um o complementa com sua imaginação, suas memórias, seus medos e desejos pessoais. E isso exige completa concentração e envolvimento, viajar para o universo da narrativa e mergulhar. Ler é um lazer de imersão.

Pode-se assistir a um show, uma peça, um filme, pensando em outras coisas, olhando uma tela paralela, mas lendo um livro não dá, você perde o fio da história se não estiver totalmente conectado. Ainda bem que, nesse caso, o livro permite que você releia o que perdeu.

Passei muitas horas excitantes e relaxantes no Rio de Janeiro de 1567, entre índios, portugueses e escravos, acompanhando a investigação do primeiro crime da cidade, que tinha dois anos, três ruas e 450 habitantes. Crime passional, com vários suspeitos e testemunhas, com o passo a passo da investigação baseado em documentos da época. E na imaginação de Alberto Mussa, sem que se fique sabendo onde uma termina e a outra começa em “A primeira história do mundo”.

Depois, viajei com Mussa para o Rio de Janeiro de 1913, quando um alto político do governo Hermes da Fonseca é assassinado misteriosamente em um bordel clandestino que um médico polonês mantinha no palacete que havia sido da Marquesa de Santos em “O senhor do lado esquerdo”, um romance de mistério eletrizante misturando sexo, poder, mulheres fatais e feitiçarias, com um final assombroso.

São dois dos cinco romances policiais de época em que Mussa mostra que não é a geografia, a arquitetura, os heróis nem as batalhas que definem uma cidade: é a história dos seus crimes.

Nelson Motta é jornalista

http://oglobo.globo.com/opiniao/crimes-cariocas-19717861

Captura de Tela 2016-07-11 às 16.08.22

The Center for Fiction anuncia sua lista de finalistas para o prêmio 2016 de melhor romance de estreia. Entre 25 títulos está THE CASTLE CROSS THE MAGNET CARTER, de Kia Corthron, um épico da história norte-americana narrado a partir de dois pares de irmãos, brancos em Alabama, nascidos sob a égide da Klu-Klux-Klan, negros em Maryland, que carregam o legado de uma avó linchada. A narrativa começa em 1941 e vem até o século 21 cobrindo todo o movimento pelos direitos civis nos EUA.

http://centerforfiction.org/awards/the-first-novel-prize/2016-first-novel-prize-long-list/

Os acontecimentos da última semana – com os protestos em todo o país contra a violência policial contra os negros e a chacina de cinco policiais brancos por um veterano do Afeganistão – dão tragicidade ainda maior ao romance, forte candidato ao título de “great American novel” nestas primeiras décadas do século, que insistem em revelar os EUA como um país partido. As críticas são consagradoras.

VB&M representa a obra para a Seven Stories Press. Kia Corthron é conhecida dramaturga, com 15 peças produzidas nacionalmente e internacionalmente, e roteirista da aclamada série de TV The Wire. Super premiada com seu trabalho nas duas áreas, teatro e TV. THE CASTLE CROSS THE MAGNET CARTER é seu primeiro romance e foi muito aguardado.

Depois de assistir a “Paulina”, no Estação, sábado dia 9 de julho, Anna Luiza foi dar nosso clássico cheque na exposição de livros VB&M na Travessa de Botafogo. Ficou satisfeita com a visibilidade de Martha Batalha, com A VIDA INVISÍVEL DE EURÍDICE GUSMÃO (Companhia das Letras); de Edney Silvestre, com WELCOME TO COPACABANA (Record);  de Miguel Sanches Neto, com A BÍBLIA DO CHE (Companhia); de Alberto Mussa com OS CONTOS COMPLETOS (Record); de Raphael Montes com DIAS PERFEITOS (Companhia); e de Betty Milan, com A MÃE ETERNA (Record).

IMG_4687  image3  image1

A exposição do Chico Azevedo foi motivo de especial alegria, porque não era só O ARROZ DE PALMA a figurar com destaque. Também muito bem exposto estava DOCE GABITO, um dos romances mais injustiçados da safra recente da literatura brasileira, que somente agora, quatro anos depois de publicado, começa realmente a deslanchar. A essa altura, o ARROZ, de 2008, já se tornou um clássico com mais de 50 mil exemplares vendidos e saindo cada vez mais do estoque da Record.

image2 image4 image5 image1

De estrangeiros, ela encontrou bem colocados QUANDO FINALMENTE VOLTARÁ A SER COMO NUNCA FOI (Valentina), de Joachin Meyerhoff, a história do filho de um psiquiatra que é criado entre loucos de um hospício, e PAPEL DE PAREDE AMARELO (José Olympio), de Charlotte Perkins Gilman, um clássico da literatura feminista americana, que conta a vida de uma mulher praticamente mantida em cárcere privado pelo marido, no final do século 19.”

image6

Sérgio Abranches reflete neste artigo sobre o perturbador Brexit e as eleições espanholas. Que medo, esse mundo.

Absolutamente imperdíveis para quem ambiciona se não entender a contemporaneidade, pelo menos pensá-la com conceitos claros e alguma objetividade, esses artigos do Sérgio dão bem o tom do que será O COMPLEXO DE PROMETEU, seu ensaio seminal a sair no início do próximo ano.

 O voto no Reino Unido e na Espanha, sociedades divididas e perplexas

Sérgio Abranches

O referendo no Reino Unido e as eleições gerais na Espanha além de serem decisões históricas, são indicadores das contradições de nosso tempo. Eleições divididas, que nada resolvem, aumentam a incerteza e a perplexidade. Estão no limite de validade da democracia tal como a conhecemos. O desencanto dos cidadãos com a democracia pela qual não se sentem representados é um dos principais desafios civilizatórios do século XXI. Sem o regime de liberdades, os princípios republicanos da igualdade na lei e da fraternidade/solidariedade, não teremos como atravessar com sucesso essa longa transição que está mudando globalmente paradigmas econômicos, sociais, políticos, científicos e tecnológicos e os padrões comportamentais. Mas a democracia representativa assegura menos liberdade que no passado, já não acredita na igualdade na lei e perdeu a solidariedade. Ficou mais curta que a sociedade que com ela se descontenta.

O voto britânico a favor da saída da União Europeia foi um retrocesso na trajetória do próprio Reino Unido. A partir da Londres mestiça, cosmopolita, aberta, buscando ser inteligente, sustentável e democrática, que acaba de eleger um prefeito muçulmano, o Reino Unido caminhava para ser um país mais integrado às tendências transformadoras da fase avançada da globalização. Com a saída, retorna à trilha do isolamento que o separa do continente e das vanguardas da mudança global. Na Espanha, a divisão revela uma sociedade que ainda dá ligeira maioria para os lados esquerdo e direito de um sistema partidário analógico que perde representação e relevância. Mas, uma parte nada desprezível dos eleitores preferiu os novos da política que nasceram nas ruas mobilizadas pela indignação e pela esperança e se consolidaram nas redes sociais, reunindo a praça física e o espaço digital. Essa nova Espanha, jovem, cosmopolita e digital conquistou um terço das cadeiras.

A escolha dos britânicos foi recebida com um sentimento misto de sobriedade e preocupação. Só depois de apurados os votos incertos, revelando maioria mínima pela Brexit, todos se deram conta da gravidade e do alcance da escolha majoritária. Agora, o sistema político e a sociedade terão que buscar a melhor forma de dar consequência a uma decisão sobre a qual nenhum segmento, exceto os da extrema-direita nacionalista, tem convicções firmes. A opção pela saída da União Europeia já teve consequências. Reabriu o dissídio com a Escócia, que pode rumar para  a secessão. Os escoceses têm toda razão. É muito melhor ser uma nação independente e parte da federação europeia, do que um súdito menor do Reino Unido. A Irlanda do Norte pode seguir na mesma direção. Os dois países votaram majoritariamente pela permanência. As preferências dos dois se mostraram o avesso das preferências da Inglaterra e do País de Gales. Os dois principais perdedores do referendo britânico foram a Londres mestiça, um dos mais avançados exemplos de cidade cosmopolita e transcultural — como Toronto e Vancouver, no Canadá — em sintonia com as tendências do novo tempo; e a City, um dos centros do capital financeiro globalizado,  que exerce a hegemonia do sistema econômico global. O referendo é um flagrante das perturbações e confusões dessa grande transição global, na qual o mundo que conhecemos perde força e capacidade de mobilizar, empregar, representar e o mundo emergente, não está maduro ainda para oferecer respostas eficazes que acomodem os interesses repelidos pelas velhas estruturas, ou que delas se apartam.

A eleição espanhola reproduziu, com ligeiras alterações, a mesma divisão que deixou o país seis meses sem governo. As escolhas do eleitorado também expressam esse entrementes da transição, no qual velho e novo convivem desarmônicos e em trajetórias inversas. Os conservadores do PP, liderados por Mariano Rajoy, fizeram 39% das cadeiras do parlamento. Os socialistas do PSOE, liderados por Pedro Sánchez, conquistaram 24% dos postos parlamentares. Os dois representam a velha estrutura partidária, hegemônica desde que os Pactos de Moncloa, de 1977, estabeleceram as bases para a democracia na Espanha sob a monarquia parlamentarista. Juntos, controlam ainda 63% da representação parlamentar, mas não têm condições de formar uma coalizão de interesses da velha ordem. Sánchez diz, com razão, que a missão do PSOE é evitar um governo com Rajoy no comando. A terceira força, com 20% das cadeiras no parlamento, é o Podemos, vindo direto dos lados esquerdos das ruas indignadas. É liderado por Pablo Iglesias. A quarta força parlamentar é o Ciudadanos, ou Cs, partido liberal-conservador, expressão das novas classes médias, também nascido nas ruas. Fez pouco menos de 10% das cadeiras.

Uma coalizão dos velhos conservadores com os novos, ainda não teria a maioria. Seria necessário trazer para a aliança algumas legendas nanicas. Mas a maioria delas representa segmentos regionais, em grande medida avessos a Rajoy. Uma coalizão da velha esquerda, representada pelo PSOE, com o Podemos ainda precisaria do apoio de duas legendas da esquerda catalã, a ERC (Esquerra Republicana de Catalunya) e a CDC (Convergència Democràtica de Catalunya). Mas elas não confiam em Sánchez, do PSOE. Este, por sua vez, não confia em Iglesias, do Podemos. Por isso, na sua tentativa fracassada de formar um governo, antes dessas últimas eleições gerais, cometeu o erro fatal de preferir o Ciudadanos ao Podemos.

Então, é assim: Sánchez não confia em Rajoy, nem em Iglesias. Iglesias rejeita Rajoy e não confia no líder do Ciudadanos, Albert Rivera, que também não confia nele. As legendas menores, por sua vez, desconfiam de Rajoy e de Sánchez.

Esse confronto entre forças poentes e forças emergentes, de todos os matizes, tende mesmo ao impasse, dificultando o jogo político. A saída “óbvia” seria a grande coalizão, reunindo os dois partidos analógicos, até recentemente hegemônicos. Mas a desconfiança que nutrem pelos novos não supera as rivalidades que se cristalizaram ao longo de quase quatro décadas de adversariedade bipartidária. Eles continuam representando interesses antagônicos, todos incrustados na velha ordem. Os “novos” partidos digitais, que têm existência na ciberesfera, nas redes sociais, tão intensa quanto na sociedade, ainda representam interesses difusos e heterogêneos, de segmentos que estão sendo expulsos da economia em retração estrutural e de setores emergentes, que ainda não têm espaço próprio nas novas estruturas socioeconômicas em formação. Representam a mescla entrevista por Manuel Castells, quando fala nas redes de indignação e esperança. A indignação dos que estão sendo deslocados dos mercados e das posições que detinham na sociedade e na economia em ocaso. A esperança daqueles que nasceram digitais e que, embora vivendo as angústias do desemprego e o desconforto do desencaixe no mundo que se desarticula, esperam o amadurecimento da nova economia e que os novos partidos, de fato, sejam capazes de interpretar e representar seus interesses.

Dúvida britânica e dúvida espanhola. Dúvida global. Os cidadãos dessa transição não têm outra coisa a fazer, se não aprender a conviver com a incerteza e com o risco. Vivemos tempos incertos, de muita mudança, sinais contraditórios, risco de eventos inesperados e não-antecipáveis. Toda decisão coletiva, nesse intervalo entre uma era e outra, terá sempre mais consequências não-antecipadas do que resultados previsíveis. Daí ter muita razão o sociólogo Ulrich Beck ao caracterizar como sociedade de risco esse mundo globalizado, em transição, no qual o indivíduo confronta o cidadão e as ondas difusas de descontentamento varrem as praças intermitentemente para manifestar seu desconforto e desencanto, mas sempre apostando que é possível mudar, avançar e superar.