Tag: Berlinale

header_blog

Ficou pronto o catálogo da Books at Berlinale. Doze livros _ na nossa opinião quase todos fascinantes _, que serão apresentados a 126 produtores cinematográficos dos mais variados países, credenciados no programa organizado pelo festival de cinema de Berlim em parceria com a feira do livro de Frankfurt. Entre os 12, O REMANESCENTE, de Rafael Cardoso, que conta como romance a história real de Hugo Simon, banqueiro alemão, judeu e socialista, ministro das Finanças na República de Weimar, colecionador de arte e descobridor de gênios como Kokoschka e Munch, agricultor de preocupações ecológicas já nas décadas de 20 e 30, que morreu quase pobre no Brasil depois de trágica fuga da tirania nazista. Rafael é bisneto de Hugo Simon.

A ideia dos organizadores da Berlinale é aproximar o mundo da produção audiovisual ao pessoal do livro, que pode oferecer um manancial de belas histórias para o cinema. O grande evento de apresentação das obras é na terça-feira, 14 de fevereiro.

Luciana embarca para Berlim já nesta sexta a fim de participar de todas as reuniões preparatórias, mas também para usufruir do acesso livre à exibição de filmes e a instigantes mesas de debates, como as promovidas pelo Instituto Cervantes e a Conferência Cinematográfica Ibero-Americana de Berlim, inclusive uma em homenagem ao crítico brasileiro José Carlos Avellar, recentemente falecido.

Submetemos vários títulos de nossa lista a Books at Berlinale, foi selecionado O REMANESCENTE. Na rodada final da seleção, eram 130 candidatos para essas 12 vagas.

Luciana está nervosa pela responsabilidade de defender com competência a relevância de O REMANESCENTE como obra cinematográfica diante de tantos produtores de cinema de primeira linha, mas acredita que a força histórica e psicológica de Hugo Simon facilitará seu trabalho. VBM está orgulhosa de participar de Books at Berlinale, acompanhada de algumas da mais conceituadas editoras e agências literárias do mundo todo. Além de nós, pelo Brasil, agências da Alemanha, Bélgica, Grã-Bretanha e Finlândia; editoras alemã, finlandesa, duas francesas, uma holandesa e uma suíça.

Books2017_11_VillasBoasMossLiteraryAgency

 

PublishNews noticia hoje a participação da VB&M no Books at Berlinale com o romance O REMANESCENTE, de Rafael Cardoso. Books at Berlinale é um evento que propicia o encontro de agências literárias e editoras com grandes produtores de cinema internacionais para falar de livros com potencial de transposição para a telona. Imensa oportunidade e ideia brilhante bolada pela Feira do Livro de Frankfurt e pelo Festival de Cinema de Berlim. 

26853bb6-9330-44fa-b1ea-4647efeea53d

Visando à participação no evento, VB&M submeteu uma lista de títulos à Berlinale. A disputa é duríssima. Este ano foram 130 candidatos. Doze foram selecionados. De nossa lista, O REMANESCENTE, livro que admiramos imensamente, publicado em novembro pela Companhia das Letras e, na Alemanha, pela Fischer. Em breve sairá na Holanda com a Nieuw Amsterdam.

A história da queda do banqueiro judeu Hugo Simon, ministro da Economia em Weimar e mecenas das artes, descobridor do expressionismo alemão e de pintores como Edvard Munch, é tremenda e certamente rende um filme extraordinário. Logo da tomada do poder por Hitler, Simon, também um pioneiro do ambientalismo, tornou-se inimigo público número 1 da Alemanha. Literalmente, o primeiro da lista a ser preso.

Hugo Simon fugiu com a família para a França em 1935, de onde financiou a resistência. Com a chegada dos nazistas a Paris, ele fez a clássica fuga cheia de riscos, medo e emoção até Marselha, onde pegou o navio para um melancólico exílio no Brasil. O exílio brasileiro foi muito triste, porque ele gostaria de estar nos EUA agitando com seus grandes amigos Thomas Mann, Einstein e Brecht na guerra de propaganda contra o nazismo.

O escritor Rafael Cardoso, bisneto de Hugo Simon, tem pedigree literário, sendo, pelo lado materno, sobrinho de Lúcio Cardoso, autor de CRÔNICA DA CASA ASSASSINADA. Mas O REMANESCENTE é um romance. Embora preso aos fatos históricos, Rafael deu-se a liberdade de criar falas e diálogos e tratar a narrativa com a linguagem da ficção.