Thales Guaracy

Thales Guaracy

THALES GUARACY

Nascido em 1964 em São Paulo e criado no bairro da Liberdade, onde coexistiam imigrantes japoneses, os inferninhos e a intelectualidade boêmia que enfrentava a recém instalada ditadura militar, Thales Guaracy é escritor, jornalista e editor. Trabalhou nos principais veículos de imprensa do país, como o jornal O Estado de S. Paulo, Exame e Veja, maior revista semanal brasileira. Lançou e dirigiu no Brasil a revista Forbes e foi consultor de publishing do Discovery, Inc. Entre outros, recebeu o prêmio Esso de Jornalismo – maior distinção da imprensa no Brasil – pela cobertura da primeira eleição presidencial após 30 anos, na volta da democracia plena ao país, em 1989. Como repórter, escreveu o bestseller O SONHO BRASILEIRO, biografia de Rolim Adolfo Amaro, fundador da TAM, maior companhia aérea brasileira.

Está também entre os autores de ficção mais vendidos do país, com livros publicados por editoras como Globo, Objetiva e Saraiva. Como diretor editorial da Saraiva, criou o Prêmio Benvirá de Literatura e publicou de autores clássicos como Patricia Highsmith, John dos Passos, Willian Faulkner e Hermann Broch a bestsellers contemporâneos como Paulo Coelho. Recentemente, atuou como diretor de redação da revista Playboy, mas agora está totalmente dedicado ao desenvolvimento de sua obra, tendo publicado A CONQUISTA DO BRASIL pela Planeta, cujos direitos foram vendidos também para a Planeta-Portugal, e para a mesma editora prepara Os desbravadores, sobre as tropas de bandeirantes que ocuparam o interior brasileiro ao longo dos séculos XVII e XVIII.

ANITA

A trajetória de Anita Garibaldi, considerada a “heroína de dois mundos”, é narrada num romance de beleza literária e cores realistas que traz de novo à vida um dos mais extraordinários personagens da história universal. Sob a perspectiva de Giuseppe Garibaldi, única pessoa que testemunhou sua vida por completo, narra-se a luta de ambos contra as tropas imperiais, a fuga para o Uruguai, a fome em Montevidéu, a morte da mais nova de seus quatro filhos e a vitória uruguaia contra o exército argentino. A legendária luta ao lado dos republicanos na América do Sul fez a fama do casal crescer na Itália, aonde Anita chega antes do marido, ainda condenado à morte em sua terra natal por seu empenho na reunificação da Itália dividida e ocupada em boa parte pelo império austríaco.

Em uma viagem que deveria ser secreta, Anita chega ao porto de Gênova aclamada pela multidão. Assim como Garibaldi, passa a simbolizar no país o Risorgimento, a luta pela unificação e pela liberdade. Forcada a esconder seus filhos do inimigo, a perigosa viagem oculta sob a correspondência dentro de um carro do correio para encontrar Garibaldi em Roma, onde ele e seus Camisas Vermelhas resistem na cidade cercada por austríacos e franceses, a retirada marcada pela perseguição impiedosa pelo país, que a deixaria doente aos seis meses de gravidez, formam uma das mais belas e dramáticas páginas da história. E um exemplo incomparável do sacrifício de uma mulher por amor e seus sonhos. Um romance de guerra e amor, ou de amor e de guerra, que entra fundo numa história tão real quanto extraordinária.

Status/Publicação: pela Record em abril de 2017. Vendido para 4 Estações (Portugal). [224 páginas]

A CONQUISTA DO BRASIL

Em A CONQUISTA DO BRASIL, surge com inédita clareza a história épica, brutal e às vezes irônica do extermínio dos índios na costa brasileira, cujo marco determinante é a fundação da cidade do Rio de Janeiro. E como sobre esse berço de sangue criou-se a sociedade geradora do maior país da América Latina, com a maior população católica do mundo. Nessa trajetória, personagens quase mitológicos são vistos novamente como gente de carne e osso. Entre os portugueses, povo de um país pequeno, com grandes ambições, estavam os urdidores da trama política na qual surgiu a colônia: os jesuítas Manoel da Nóbrega, o padre gago incumbido de catequizar um povo de língua indecifrável, e José de Anchieta, o santo brasileiro, para quem a melhor pregação para os índios era “a espada ou a vara de ferro”.

Do lado dos nativos, postavam-se guerreiros antropófagos com líderes implacáveis – como Aimberê, o ex-escravo que se tornou líder da resistência, e Cunhambebe, o cacique imortal, que dizia poder devorar carne humana porque era “um jaguar”. No meio, ficaram os homens que se mimetizaram à terra e nela fundaram uma raça híbrida, como o caçador de escravos João Ramalho, que vivia como os índios e fez com eles um exército entre o mar e o caminho para os tesouros de Potosí. Incluem-se aí também os franceses protestantes, que se aliaram aos índios para escapar aos portugueses e à Inquisição. E os descendentes mamelucos, os primeiros brasileiros verdadeiramente ligados à terra, que falavam tupi tanto quanto o português e partiram do Planalto de Piratininga para estender sertão adentro um país muito além do que os próprios portugueses tinham imaginado.

Status/Publicação: pela Planeta em 2015.

LINHA DA VIDA

Um domingo de sol no parque. Um jovem e feliz casal, que tenta ter um filho. O encontro com a cigana que se recusa a ler a mão do marido, sem dizer o que viu, nem explicar a razão. A partir desse fato estranho e perturbador, LINHA DA VIDA mostra o efeito da incerteza sobre o ser humano. O que é melhor: saber ou não saber o futuro? O homem cético, racional e pragmático vê sua antiga segurança desmoronar até se transformar em pura paranoia. A mulher que ele julga frágil esconde um problema real e secreto: é sexualmente assediada por uma espécie de Dr. Jekyll contemporâneo: o médico que dirige a clínica de reprodução onde eles tentam a fertilização.

Baseado em fatos reais, LINHA DA VIDA é um relato breve, direto e impactante sobre o jogo de enganos entre homem e mulher no relacionamento, no casamento e na vida. E nos coloca brutalmente diante do maior desafio humano: como sermos felizes, mesmo diante da possibilidade sempre iminente de um final trágico.

Status/Publicação: Inédito.

CAMPO DE ESTRELAS

“Testemunho da força representada pela determinação em situações extremas, Campo de estrelas ultrapassa o reducionismo da literatura de auto ajuda para se firmar como um emocionado relato das grandes questões humanas.”
– Ubiratan Brasil, O Estado de S. Paulo

Um bem sucedido publicitário brasileiro descobre em seus exames de rotina um pólipo na bexiga que o fará rever sua vida e tentar recuperá-la, mesmo sem saber até quando. Sua luta contra o câncer e o medo da morte são entrecortados pelo relato de uma intrépida viagem a Machu Picchu, no Peru, feita na adolescência ao lado do pai, seu primeiro encontro com os mistérios da vida. A inexplicável reaparição de um personagem daquela aventura do passado, misto de mendigo e de anjo, surge como a intrigante esperança do encontro com a paz espiritual e o resgate da vida.

Por meio da viagem de pai e filho, juntos em busca do desconhecido, Thales Guaracy nos guia em um road book onde o caminho para a cidade perdida de Macchu Picchu é também uma viagem pelas profundezas do coração.

Status/Publicação: pela Globo em 2007.

AMOR E TEMPESTADE

“Thales Guaracy é um bem-sucedido jornalista que eu conheço desde os anos 1980, quando ele era um jovem repórter talentoso e insolente. Anos depois, continua parecido consigo mesmo. Propõe-se a ressuscitar um período histórico turbulento e consegue. É o talento. E não hesita em colocar no centro da história brasileira um avô que até no nome se parece com ele. É a insolência que funciona.’’
– Ivan Martins, Revista Época

“Um passeio romântico pela história do Brasil.’’
– O Estado de S. Paulo

Entre os conflitos do Brasil dos anos 1920, marcado por revoltas militares, o movimento conhecido como Tenentismo produziu uma das mais extraordinárias jornadas da humanidade: a Marcha da Coluna Prestes, liderada por Luis Carlos Prestes, que percorreu 9.000 quilômetros no sertão brasileiro, desafiando o governo central e buscando, por meio de seu périplo heroico, levantar todo o país para derrubá-lo. Atrás de Prestes, levado pelo destino às fileiras hesitantes das tropas federais, segue o jovem sargento Coracy, personagem atormentado pelas circunstâncias que o carregam sempre mais longe de casa, onde o irmão postiço quer lhe tomar a herança paterna, a posição e seu amor de infância, Eugênia. Em sua caminhada não menos épica, em que o combate é a última das prioridades, Coracy cruza com personagens lendários da história brasileira, como o Marechal Rondon, célebre defensor dos índios e desbravador do sertão, o sanguinário cangaceiro Lampião e, ao cabo, o próprio herói que todos admiram, a quem lhe é dado pelo acaso a oportunidade indesejável de prender: Prestes.

O desenlace do encontro entre o herói famoso e o outro anônimo é o clímax dessa viagem por um país desconhecido, fronteira entre o sublime e o picaresco, onde Coracy terá a oportunidade de encontrar o verdadeiro sentido do heroísmo, antes de voltar para casa e resgatar o seu amor, no momento em que a vida de Eugênia se encontra ameaçada.

Status/Publicação: pela Suma de Letras em 2009.