Marco Guimarães

Marco Guimarães

MARCO GUIMARÃES

Marco Guimarães, nascido em 1951 no Rio de Janeiro, tem nacionalidade brasileira e portuguesa e mora atualmente em Paris. É professor aposentado da UFRRJ e tem formação acadêmica com pós–doutorado em Medicina. Desde 1997 escreve crônicas, contextualizadas no campo da filosofia, da literatura ficcional e da sociologia, para uma revista da área de saúde. Escreveu seu primeiro romance, DE ESCRITORES, FANTASMAS E MORTOS, sob o pseudônimo de Paul Lodd. Seu segundo romance, MEU PSEUDÔNIMO E EU, foi um dos 20 finalistas ao Prêmio Portugal Telecom de Literatura em 2012 e, em 2014, saiu na Croácia pela editora Ljevak. Os dois livros tiveram excelentes resenhas e artigos na França e em Portugal. Seu terceiro romance, A BICHA E A FILA, escrito a quatro mãos com o autor angolano Manuel Rui, foi publicado no Brasil e em Angola. Seu quarto romance, O ESTRANHO ESPELHO DO QUARTIER LATIN, foi publicado em 2016.

Fez leituras e ministrou conferências sobre temas literários nas seguintes instituições e eventos: Universidade Paris IV/Sorbonne; Universidade de Colônia (Alemanha); Universidade de Aachen (Alemanha); Feira de Livros de Porto Alegre, edição 2013, V Encontro de Escritores de Língua Portuguesa (UCCLA), Luanda (2014). Foi convidado para ministrar conferencia no II CILLAA (Congresso Internacional de Línguas e Literaturas Africanas) pela Universidade Estadual da Bahia, em outubro de 2015. Foi cronista do Diário do Comércio, em Minas Gerais, e escreve atualmente o seu sétimo romance.

O CORVO

Os desaparecimentos de uma menina e sua sequestradora, do policial responsável pelas investigações e de sua ex-mulher, narradas em separado, se cruzam em uma história repleta de mistério e eventos surreais. De um lado, Maurice, o policial desaparecido, que, assiste, em um grande cinema, um filme com passagens de sua vida em que poderia ter morrido.

Do outro lado, a policial Natalie, sua substituta, tenta solucionar a difícil equação resultante do estranho sumiço dos três.

Status/Publicação: Inédito.

A BICHA E A FILA

Dois médicos resolvem escrever a quatro mãos um romance, com um texto ancorado em considerações filosóficas, antropológicas, sociológicas e literárias sobre os diferentes tipos de fila. O livro retrata o cotidiano de Miguel e de Manuel, vividos em Luanda e Rio de Janeiro, suas respectivas cidades.

O conflituoso processo politico que se segue após a libertação de Angola e a violência e a truculência do regime militar brasileiro dos anos 70 servem como pano de fundo inicial para os acontecimentos que envolvem os protagonistas desse romance.

Status/Publicação: Pela Nadyala (Brasil) em 2013. Pela União de Escritores Angolanos (Angola) em 2014.

O ESTRANHO ESPELHO DO QUARTIER LATIN

Thierry Vernet, jornalista aposentado, há muito aprendera a domar as suas emoções diante do inesperado. Mas ver que as três imagens de seu rosto, refletidas em velho espelho, começavam a lhe falar, superava todas as expectativas que a vida lhe apresentara. A partir daí, essas imagens passaram a avaliar o seu passado, o seu presente e o seu futuro.

Suspeitando que o excessivo número de suicídios de idosos ocorridos no Quartier Latin, em Paris, pudesse ter relação com uma dessas imagens, ele inicia uma investigação que vai levá-lo a uma trajetória inesperada.

Status/Publicação: Pela Editora Atlântica em 2016.

MEU PSEUDÔNIMO E EU

Marcel Rood, escritor de sucesso que utiliza o pseudônimo de Marcel Rodd, descobre que seu último livro será autografado por alguém que vai se passar por ele em uma livraria de Paris. A caminho da noite de autógrafos, em um tumultuado metrô parisiense, ele conhece Marianne, jovem socióloga e dona de uma livraria, por quem acaba se apaixonando. Na fila de autógrafos, enquanto espera que seu próprio livro seja assinado pelo impostor que o substitui, Marcel conhece alguns de seus inusitados leitores e passa a ter com eles uma convivência mediada por sua jovem amante.

Esta descobre que Marcel vem sendo roubado por seu editor e, a partir daí, ameaças, mortes e sequestros começam a acontecer. Nesse romance, os gêneros fantástico e policial coabitam em perfeita comunhão, rompendo limites, fugindo de engessamentos estruturais padronizados e provocando, ainda, alguns questionamentos metafísico-existenciais.

Selecionado como um dos 20 finalistas do Prêmio Portugal Telecom.

Status/Publicação: Pela Octavo (Brasil) em 2012 e pela Ljevak (Croácia), em 2014.

UM ESCRITOR E SEUS FANTASMAS EM PARIS

Boa parte das cenas desse romance se passa em Paris. Mas nossos protagonistas, Jean Pierre e Jerôme, conduzem-nos também a flanar pelas ruas de outras cidades. Nova York, Buenos Aires, La Paz e Rio de Janeiro cruzam-se, como na construção de um mosaico, de um espaço ideal, para um flanêur que evoca nitidamente a figura surgida com Baudelaire no século XIX. Quais seriam os pontos em comum de tais protagonistas com o flâneur baudelairiano? Ainda temos, aqui, o homem hesitante entre o fascínio e temor diante das cenas urbanas, encantado e intimidado com os personagens misteriosos que aparecem e desaparecem sem deixar vestígios no meio da multidão. Mas a flânerie se expandiu, em primeiro lugar, pelo entrecruzamento das cidades, que se revelam simultaneamente singulares e idênticas, com suas mortes e conspirações.

O que aproxima e distingue as cidades pelas quais Jean Pierre e Jerôme se deslocam? Em meio à violência das urbes atuais, a multidão já não é mais um refúgio para esse flâneur dos chamados tempos pós-modernos, e os impasses se multiplicam. Surge, assim, uma nova figura do flâneur, que perambula por múltiplos espaços, geográficos e virtuais, como um observador anônimo em constante deslocamento. A literatura, com seus escritores, personagens e projetos, torna-se, aqui, um grande espaço de flânerie e sempre do sonho. Pelas ruas do texto de Guimarães, seremos conduzidos a reconstruir o olhar hesitante do flâneur, dividido entre o horror e o encantamento, entre o pesadelo e o sonho.

Status/Publicação: Pela Escrytos Brasil (reedição) em 2016.