Luís Dill

Luís Dill

LUÍS DILL

Luís Dill nasceu em Porto Alegre em abril de 1965. É escritor e jornalista – nesta ordem. Formado pela PUC do Rio Grande do Sul, já trabalhou com assessoria de imprensa, jornal, rádio e televisão. Atualmente é Produtor Executivo da Rádio FM Cultura na capital gaúcha, onde mora. Como escritor, sua estreia foi em 1990. Tem 48 livros publicados, além de participações em diversas coletâneas de contos. Também é colaborador de jornais e revistas. Já conquistou prêmios literários como o Açorianos na categoria conto com TOCATA E FUGA (Bertrand Brasil) e na categoria juvenil com DE CARONA, COM NITRO (Artes e Ofícios) e DECIFRANDO ÂNGELO (Scipione).

Recebeu o prêmio Livro do Ano da Associação Gaúcha dos Escritores na categoria poesia com o livro ESTAÇÕES DA POESIA (Positivo) e ficou com o terceiro lugar do prêmio Biblioteca Nacional na categoria juvenil com o O ESTALO (Positivo). DESTINO SOMBRIO (Companhia das Letras) recebeu o selo “altamente recomendável” da Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil. Vários de seus livros foram adquiridos por planos governamentais em âmbito municipal, estadual e federal.

RABISCOS

Essa é a história de Jorginho, um menino pobre na sala de espera de um hospital. A narrativa é o que escreve Jorginho numa caderneta que ganhou de sua mãe, na qual vai registrando sua vida até aquele momento em que se vê sentado na cadeira de plástico da sala de espera. Ao longo da leitura, entendemos que sua mãe está grávida, ele não conhece seu pai, a situação do acidente que o levou até o hospital não é promissora, e tudo o que Jorginho sabe é que precisa continuar escrevendo…

RABISCOS é uma narrativa para jovens leitores com a simplicidade tocante e típica do Dill, que consegue expressar as mais profundas ideias e sentimentos por meio de uma linguagem sem arabescos.

Status/Publicação: Inédito.

O BARULHO DO RIO

 “Um romance que surpreende pela forma, que surpreende pela temática: raras vezes o leitor da ficção brasileira encontrará personagens como os deste livro – tão longe do nosso horizonte de preocupações e tão assustadoramente perto do nosso dia a dia.”
– Luiz Ruffato, escritor e crítico

Um faz-tudo decide reconquistar sua namorada. Misto de diário e documentário, ou falso diário e falso documentário, o romance acompanha as ações do personagem central do primeiro ao último dia do ano de 1997. Atento às notícias veiculadas em jornais, rádios e na TV, o personagem conecta a sua vida com os fatos diários ocorridos no mundo, no país e na sua cidade, Porto Alegre, no sul do Brasil, onde vive em uma pensão. Pelas leituras diárias, logo fica claro seu mórbido interesse pela crônica policial e suas ideias, por vezes, monstruosas.

Com o desenvolvimento da narrativa o leitor se dá conta de como, a cada dia, ele se aproxima mais e mais da consumação de atos violentos.

Cada dia que passa ele percebe com menos clareza a vida em sociedade e tem mais dificuldade para identificar seus semelhantes como seres humanos. Ele os vê como obstáculos que precisam ser superados. De um modo ou de outro, por bem ou por mal. Em sua trajetória, busca reatar o relacionamento com a ex-namorada habitando a fronteira da marginalidade e a vizinhança da psicopatia.

Status/Publicação: Inédito.

SAFÁRI

Quando o jovem e bem sucedido advogado Murilo Marques decide praticar seu esporte favorito, alguém inevitavelmente morre. Para ele, o verdadeiro esporte radical deve oferecer riscos reais. Do alto do prédio em que fica seu confortável escritório, Murilo examina o mundo abaixo de si pela lente telescópica de um rifle de longo alcance. O dedo no gatilho é juiz, júri e executor. Noivo de Francisca Sándor, filha do sócio majoritário do escritório em que trabalha, Murilo nada teme: seu escritório é conhecido por absolver criminosos sem qualquer chance aparente de liberdade.

Depois de alguns disparos certeiros, contudo, seu entretenimento chama a atenção da polícia, que se vê obrigada a dar uma resposta à sociedade. Entra em cena o policial Ronaldo Querubim, que junto à sensual Hortênsia Lenzi, colega de trabalho, ameaçará a paz do jovem advogado.

Status/Publicação: Publicado pela Rocco em 2014.

TODOS CONTRA DANTE

Dante é novo na escola. Vem de um bairro mais pobre e gosta de ler, em especial A divina comédia, de Dante Alighieri. A intenção de sua mãe, ao matricula-lo numa escola reconhecida por sua excelência, é ampliar seus horizontes educacionais. Mas ela logo se dá conta do terrível engano que cometeu. Ao chegar para o início das aulas Dante chama atenção, sua aparência e sua classe social logo se tornando combustível para o riso dos colegas. A perseguição se intensifica, torna-se sistemática e ganha força na internet, onde o jovem é ridicularizado e hostilizado sem limites. Até mesmo uma comunidade, “Eu sacaneio Dante”, é criada nas redes sociais.

Sem saber ao certo como lidar com o bullying, Dante cria seu próprio blog, que se torna uma espécie de diário e local de desabafo. Mas a situação ganha corpo no mundo virtual e se consolida como tragédia na vida real. Inspirado em fatos reais, o livro faz uma cuidadosa reflexão sobre a sociedade atual com linguagem ágil e arquitetura ficcional inovadora.

Já vendeu mais de 200.000 exemplares.

Status/Publicação: Publicado pela Companhia das Letras em 2008.