Categoria: LIVROS

Oscar Nakasato, autor do premiado NIHONJIN e DOIS, este segundo romance a sair pela Alaúde em outubro/novembro, participará da conferência de encerramento do Congresso Nacional de Linguagens em Interação, na Universidade Estadual de Maringá (PR), que vai de hoje, 25 de setembro, a quarta-feira. Os temas do congresso são instigantes. O pessol da agência gostaria particularmente de assistir, além de Nakasato, à mesa 12, da professora Elda Firmo Braga, da Uerj, sobre Literatura, Ecologia e Direitos Animais.

Para saber mais sobre o V CONALI, clique aqui.

Como co-agentes da Bella Editora, VBM está orgulhosa de representar para o exterior o livro que a Monja Coen _ Cláudia Dias Baptista de Souza, de nascimento _ lança neste momento, com um título belíssimo, em todo o Brasil: O SOFRIMENTO É OPCIONAL: COMO O ZEN-BUDISMO PODE AJUDAR A LIDAR COM A DEPRESSÃO. Pelas melhores razões, a Monja tem atraído multidões a seus autógrafos, como atestam fotos de São Paulo e Salvador. Na sexta-feira, o lançamento aconteceu em Porto Alegre, e foi fantástica a recepção midiática. 

Não se trata de auto-ajuda impostora, basta ver a modéstia do subtítulo: como o zen-budismo “pode ajudar a lidar” com a depressão. O livro apresenta os preceitos budistas que de fato ajudam a lidar com a ansiedade e a dor da existência _ não simplesmente “podem”.

Li O SOFRIMENTO É OPCIONAL (eu, Luciana) e acredito ter pegado o segredinho: respirar conscientemente para que a própria respiração nos conduza ao momento presente, nos faça apreendê-lo, fruí-lo e, no processo, percebamos com serenidade a transitoriedade de tudo na vida. Essa é minha interpretação, que me está servindo muito, mas a leitura da totalidade da obra é preciosa.

Para ler mais sobre Monja Coen e seu livro, acesse os links:

http://www.jornalnh.com.br/_conteudo/2017/09/vida/viver_com_saude/2175657-monja-coen-respiracao-consciente-e-um-dos-segredos-para-evitar-a-depressao.html

Uma das líderes espirituais mais pop do país, Monja Coen dá dicas de como tornar a vida mais leve

Lancamento Salvador

Lancamento Livro Monja coen Livraria Cultura

IMG_2159

91UyRKsJc3L

No sábado, Eduardo Bueno assinou resenha sensacional na Folha de S. Paulo sobre DO CZARISMO AO COMUNISMO: AS REVOLUÇÕES RUSSAS DO INÍCIO DO SÉCULO XX, de Marcel Novaes, que acaba de sair pela Três Estrelas, um trabalho editorial de primeiríssima de Alcino Leite Neto. O título da matéria diz que o livro é (quase) um épico sensorial. Sem simplificação, consegue ser leve e breve, mas também fazer um travelling panorâmico à Eisenstein sobre a história da Rússia do feudalismo à ditadura do proletariado. De fato, muito bem escritos, o livro do Marcel e a crítica do Eduardo.

http://www1.folha.uol.com.br/ilustrada/2017/09/1921083-marcel-novaes-faz-quase-epico-sensorial-sobre-revolucao-russa.shtml

 

eurucide_capa2

Juliet Mabey, a maravilhosa editora da OneWorld, que publicou A VIDA INVISÍVEL DE EURÍDICE GUSMÃO na Grã-Bretanha e nos EUA, teve a delicadeza de compartilhar conosco a crítica do livro que saiu no Daily Mail, o jornal britânico de maior circulação. Elogio do início ao fim abrindo uma coluna que incluiu a resenha do último livro do Nobel Orhan Pamuk.

Captura de Tela 2017-09-25 às 08.22.55

Em outro email, Juliet contou que a livreira de uma Waterstone em Bath disse que EURÍDICE era “a great philosophical work”, um grande trabalho de filosofia. Muito legal essa experiência da publicação britânica de A VIDA INVISÍVEL DE EURÍDICE GUSMÃO, “um romance que é repleto de vida invisível”.

“This zesty Brazilian novel has the same brightly coloured quality as a folk painting…A novel that brims with invisible life.”

O site espanhol The Shelter of Books publicou uma resenha sensacional de SORPRENDENTE!, de Maurício Gomyde, em três idiomas: castelhano, inglês e italiano.

Fernando Molica estará no Sempre um Papo Em Belo Horizonte hoje à noite falando de seu último romance, UMA SELFIE COM LÊNIN (Record). Estado de Minas deu boa matéria chamando para o título o fato muito verdadeiro de o Brasil ser o grande personagem desse autor.

molica 2 molica1

Saquem só essas matérias sobre A VIDA INVISÍVEL DE EURÍDICE GUSMÃO, ou melhor, THE INVISIBLE LIFE OF EURIDICE GUSMÃO, de Martha Batalha, que saiu em língua inglesa pela OneWorld. Já postamos montes de críticas excelentes, mas essas põem o livro em tudo que é lista de melhores lançamentos. Martha está juntinho de Jeffrey Eugenides, que não sendo cliente, é queridinho da agência, amamos sua literatura _ entre muitos nomes super.

Está para sair a edição de bolso de EURÍDICE pela Livre de Poche. Vão fazer a capa inspirada no trabalho excepcional da OneWorld.

Captura de Tela 2017-09-14 às 17.13.33

18 Books You Need to Read This Fall

http://www.huffpostbrasil.com/entry/best-fall-books-2017_us_59a991dee4b0dfaafcf01955

 

gotica-pageface

A Sesi-SP Editora fez um cartaz muito lindinho para chamar para o lançamento de A GÓTICA QUE NÃO GOSTAVA DE FANTASMAS, de Regina Drummond e Giulia Moon, no dia 14, próxima quinta-feira, na Cultura do Conjunto Nacional. O livro também é maravilhoso, muito paulistano, em grande parte ambientado no mundo cosplay de SP. A nós parece impossível ser adolescente e não amar a narrativa da Regina e da Giulia, uma Gata Borralheira contemporânea de imenso charme.

59b422ee2900003600485b44

O lançamento de CONTOS COMPLETOS de Kurt Vonnegut pela Seven Stories Press é o talk of the town nos Estados Unidos, assunto de todas as seções literárias. Reproduzimos aqui o artigo do Huffington Post e a indicação da crítica da Atlantic pelo New York Times. O livro está sendo recebido como um clássico, e o prefácio de Dave Eggers é extremamente rico e instrutivo.

Previously Unpublished Kurt Vonnegut Stories Arrive In The Nick Of Time

 

 

O belo obituário de ROGÉRIA na Veja claramente inspirou-se na biografia escrita por Márcio Paschoal, lançada pela Sextante em outubro de 2016. No fim de semana passado, na Travessa-Botafogo, o livro de Márcio voltou à vitrine. Motivo triste, muito triste, mas é melhor assim, pois a narrativa de Márcio dá eternidade a Rogéria. Aliás, é como termina o obituário da revista:

“… Nunca renegou Astolfo: era seu nome e sua identidade primeira. Pois foi Astolfo Barroso Pinto quem morreu de uma prosaica infecção urinária. Rogéria apenas saiu de cena.”